Ressecçao de tumores
Dependendo do local, da extensão do tumor primário e do status dos linfonodos cervicais, o tratamento do câncer da cavidade bucal pode ser cirúrgico, radioterápico ou uma combinação de ambos. A cirurgia para ressecção dos tumores primários deve incluir sempre toda lesão tumoral e margem de tecido livre de tumor em todas as dimensões (mínimo de 1,0cm de margem), sempre confirmada no ato cirúrgico por exame de congelação.
A radioterapia de lesões extensas deve incluir também as cadeias de drenagem linfáticas, mesmo quando, clinicamente, estas não estiverem acometidas. A dose para o sítio primário varia de 65Gy a 75Gy, durante cinco a sete semanas.
Assim, as opções de tratamento irão variar de acordo com o estádio clínico das lesões. 

Microcirurgia de Laringe
É a opção cirúrgica para exploração e tratamento de várias lesões de pregas vocais, bandas ventriculares e laringe como um todo. O acesso cirúrgico exige o uso de um laringoscópio.

Adenoamigdalectomia
Cirurgia para remoção das amígdalas e das adenoides. As amígdalas se localizam na parede lateral da faringe e podem ser alvo de infecção, principalmente em crianças. A hipertrofia (aumento de tamanho) das adenoides pode causar nas crianças problemas de audição e respiração bucal.
Indicação: amigdalites resistentes aos antibióticos, apneia do sono, respiração bucal sem melhora com tratamento, febre, abscesso, amigdalite caseosa (mau hálito).

Adenoidectomia
Cirúrgica das adenoides.

Amigdalectomia
Chama-se amigdalectomia à remoção cirúrgica das amígdalas. As amígdalas são glândulas de defesa que compõem o anel linfático de Waldeyer, conjunto de aglomerados de tecido linfoide localizados na cavidade oral e na faringe.